Momento pede cautela, mas também é de otimismo

Inauguramos a partir da próxima semana o segundo semestre do ano e solicito atenção especial para mais uma possível majoração da Selic, na ordem de 0,5% Talvez essa seja a última elevação de 0,5 pelo Copom, estancando uma tendência de subida. Lembramos que a Selic é um instrumento para controlar a inflação, que está elevada no País e no Mundo, tendo, dentre os fatores, a guerra na Europa, o que tem afetado o preço do barril de petróleo, e por consequência, de toda a cadeia produtiva.

Há uma tendência de o processo inflacionário estabilizar a partir do segundo semestre. Ao menos é o que apontam os dados advindos da Política Econômica Brasileira, que preveem trazer para o centro da meta um número abaixo de dois dígitos de inflação para 2023.

Isso importa na redução do capital bancário para o setor imobiliário, redução nas linhas de financiamento para veículos e redução do financiamento do comércio através das operações de cartão de crédito. Quando falo em redução, refiro-me ao volume reduzido de operações em razão do aumento do custo do dinheiro. Isso resulta em menor crescimento econômico, não obstante o Brasil esteja crescendo muito acima daquilo que era previsto no início do ano.

Foco também no processo eleitoral. Ainda há uma indefinição em relação ao resultado das eleições, embora se observe determinadas tendências advindas de pesquisas. Sobre as eleições de 2022, ouvi o cientista político, Antonio Lavareda, (em uma entrevista concedida ao canal CNN nos primeiros dias de junho), onde reiterou que o tema ‘Economia’ norteará a decisão do eleitor.

Cautela com a taxa de inadimplência que tem aumentado, segundo dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (CNC). Os dados de maio foram divulgados em junho e apresentaram o oitavo aumento consecutivo da parcela de inadimplentes, ou seja, aqueles que têm contas ou dívidas em atraso. Atenção especial nas recuperações judiciais e nas novas ferramentas de avaliação, análise e concessão de crédito.

No escopo Sindical, terminamos o mês de junho trazendo um evento para Porto Alegre, sobre a desmistificação do Planejamento Societário e Patrimonial para as empresas de fomento.

Outro ponto que merece destaque é o incremento das startups de crédito, fazendo a mesma atividade que faz o fomento em um ambiente digital, com custos reduzidos. Sobre essa questão o Sindicato, por ocasião da reformulação do seu planejamento estratégico, deverá focar nessas novas estruturas e enfatizará o serviço de informações direcionado para os Associados, no que diz respeito ao exercício da atividade de fomento da forma como conhecemos.

Desejamos por fim, um início de segundo semestre frutífero, para todos os nossos Associados e parceiros da jornada empresarial do fomento O nosso trabalho existe para fazer a diferença nos negócios, sempre atentos às novas tendências do mercado e às novas tecnologias, para levar a melhor orientação e informações de máxima qualidade.

artigopresidentesinfac

Mais Notícias

monitor-de-jrost

Monitor de juros mensal – Fecomércio RS

seuciritização

Securitização é tema de curso do SINFACRS

supremy (1)

Atendimentos jurídicos do mês de abril

vacinac

SINFACRS promove a vacinação contra a gripe

grafeno

Sinfac-RS e Grafeno realizam evento em Porto Alegre sobre Jornada do Crédito com foco em factorings, securitizadoras e FIDCs

gestão

SINFACRS prove o curso sobre Gestão Estratégica